Hipotireoidismo E Reposição De Levotiroxina – Dicas Práticas Para Garantir Um Melhor Controle Hormonal!

Publicado em: 13/08/2020

O hipotireoidismo é uma disfunção na tireoide  que se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). É mais comum em mulheres, mas pode acometer qualquer pessoa, independente de gênero ou idade, até mesmo recém-nascidos – o chamado hipotireoidismo congênito.

Os sintomas mais comuns do hipotireoidismo são: depressão, desaceleração dos batimentos cardíacos, alteração do ritmo intestinal, menstruação irregular, falhas de memória, cansaço excessivo, dores musculares, pele seca, queda de cabelo, ganho de peso e aumento de colesterol no sangue.

Em adultos, na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma doença autoimune denominada Tireoidite de Hashimoto. Outras causas são: tratamento cirúrgico da tireoide (tireoidectomia parcial ou total), tratamento de hipertireoidismo com radioiodoterapia, deficiência de iodo na dieta, lesões no sistema nervoso central, irradiação cervical prévia, uso de medicamentos que interferem na síntese do hormônio tireoidiano, entre outras.

O tratamento do hipotireoidismo é feito com o uso diário de levotiroxina, na dose prescrita pelo médico. E os comprimidos são em microgramas, variando de 25 a 200. Por isso, a levotiroxina não deve ser manipulada, pois há chance de erro de dosagem e biodisponibilidade

Para reproduzir o funcionamento normal da tireoide, a levotiroxina deve ser tomada todos os dias, em jejum (no mínimo meia hora antes do café da manhã), para que a ingestão de alimentos não diminua a sua absorção pelo intestino. Outros medicamentos devem ser ingeridos após 30 minutos da tomada da levotiroxina para não atrapalhar a absorção da mesma.

Existem diferentes fabricantes que fazem a levotiroxina, podendo ser encontra nas drogarias pela marca comercial ou pela forma genérica. Quando a levotiroxina é genérica (sem marca), o paciente pode fazer uso do princípio ativo de diferentes fabricantes. Como a potência da levotiroxina entre os fabricantes é variável, existe a possibilidade de que a mudança de marca possa afetar os testes de função tireoidiana no seguimento clínico.

Um estudo holandês publicado recentemente demonstrou que há maior probabilidade de redução ou supressão do TSH (hormônio tireoestimulante) em pacientes que utilizam continuamente a levotiroxina e trocaram de marca comercial. Esta alteração foi mais proeminente nos indivíduos que utilizavam doses acima de 100 mcg por dia.

Assim, caso você utilize a medicação levotiroxina e precise fazer a troca do fabricante, AVISE SEU MÉDICO! Ele fará os ajustes necessários para que não haja distúrbios graves decorrentes da oscilação dos seus níveis hormonais!

Gostou do texto? Interessou-se por esse ou outros assuntos? Acesse nosso site: http://www.dranataliaandrade.com.br

Fonte: Flinterman LE, Kuiper JG, Korevaar JC, et al. Impact of a Forced Dose-Equivalent Levothyroxine Brand Switch on Plasma Thyrotropin: A Cohort Study. Thyroid. 2020;30(6):821-828.

Publicado por: Dra. Natália Andrade

263 Visualizações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *